Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OMG! She's a book reviewer!



Sexta-feira, 24.01.14

Mário Zambujal - À Noite Logo Se Vê


Depois de O Diário Oculto de Nora Rute que me deixou desconsolada por ser tão curto, era necessário continuar a ler Mário Zambujal para, na minha cabeça, tentar associar um estilo ao autor. Escolhi um clássico: À Noite Logo Se Vê.
«No tempo inteiro de quatro anos, quatro, não nasceu criança, uma que fosse, menino ou menina, na aldeia do Roseiral;» e está dado o mote, é preciso esclarecer este imbróglio. Catástrofe natural, obra do fantástico ou conjunto de acasos, alguma explicação terá de ser encontrada e ninguém melhor do que Guilhermino João Ukkonen Miralva para o fazer, afinal, diz o próprio: «Desde fedelho sonhava eu dedicar-me ao estudo de fenómenos, bruxas, fantasmas, assombrações, vozes do Além e tal, mas nunca me deram uma mãozinha de apoio, família ou entidades competentes.».
Enquanto as investigações ocorrem, fazem-se alguns desvios absolutamente necessários para relatar várias outras histórias tão ou mais fantásticas («Suponho que me acusam já de indisciplina narrativa, atardo-me em casos laterais ao objectivo anunciado (...)»). Num livro que se lê demasiado depressa, garanto que haverá tempo para tudo («Acode-me agora o exemplo de Quinzinho Pontual, história importante que gostaria de contar, se dispusessem de algum pouco tempo, sem prejuízo de vossos quefazeres e urgências.»).
Adequada a todas as idades, esta leitura faz-nos rir do insólito da vidinha do comum dos mortais tornando-se o antídoto perfeito para dias de enfado. No final, concordaremos que haverá sempre espaço para autores que recorram à comicidade da desgraça do quotidiano, damos-lhes as boas vindas à equipa de que Machado de Assis será sempre o indiscutível capitão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Inês às 21:21


4 comentários

De Anónimo a 29.01.2014 às 23:00

Inês,
Descobri recentemente o seu blog. Permita-me que lhe felicite pela excelente iniciativa que corresponde, na minha opinião, a um bom exemplo de serviço público. Muitos parabéns! Há blogs e blogs, porém, reparei que o seu mantém um conteúdo bastante cuidado e profissional. Também sou um amante dos livros, da literatura e da língua portuguesa - ela que é a pátria de todos nós, como diria F. Pessoa. Gostava de lhe lançar uma questão, em jeito de desafio (para comentário ou vídeo futuro). Qual a sua posição face ao Novo Acordo Ortográfico? Pessoalmente sou contra, como o são alguns escritores que leu recentemente como o Mário Zambujal ou o Mário de Carvalho. Eu creio que estamos perante um atentado ao nosso património colectivo (a língua e a ortografia), com um propósito utópico de unir o que no passado se diferenciou pela evolução das variantes (PT e BR) e que, até por razões gramaticais, é impossível de unificar no presente e no futuro. Para além de que, será mesmo preciso unificar? Quantas dezenas de variantes tem o Inglês ou o Espanhol? Extraordinariamente, o saldo do acordo é que aumentaram mais as palavras que se vão escrever de forma diferente do que aquelas em que uniformizou a grafia. Já para não falar da multiplicação das facultatividades… Qual a sua reacção ao ler "coadoção", "setor", "perceção" ou "reto"? Consegue associar às palavras que conhece? Eu, que sou alfabetizado, tenho dificuldade em ler estas novas edições com o Acordo e a minha fluência e prazer da leitura esbarram em palavras como as que referi. Eu e vários colegas e amigos (também ávidos leitores) tomámos como decisão não voltar a comprar edições escritas com o Acordo. Como é que a Inês e os seus amigos leitores vêem esta questão?
Não desista e continue com este seu projecto. Há quem a esteja a seguir atentamente e que aprecia a qualidade do que faz. Um abraço e continuação de um excelente trabalho!
Tiago

De Inês a 29.01.2014 às 23:24

Boa noite, Tiago,
Antes de mais, obrigada pelas suas palavras de incentivo e apreço.
Se costuma seguir as minhas leituras, já percebeu que tenho predileção por autores lusófonos, parece-me que isso é bastante demonstrativo do quanto adoro a língua portuguesa.
Não sou a favor do Acordo Ortográfico, pelo menos não na forma como está a ser implementado, talvez alguns ajustes pudessem ter sido feitos com cedências de ambas as partes. O que foi imposto de forma mal negociada e muito forçada acaba por, a meu ver, desvirtuar completamente algumas regras ortográficas que seguiam a oralidade.
No entanto, a verdade é que não me sinto qualificada para opinar e tento adaptar-me como posso dado que sou obrigada a cumprir o Acordo no meu meio profissional (e é por isso que o utilizo também no blogue). Pior do que aceitar e cumprir o Acordo é estar nesta corda bamba de avanços e retrocessos, não traz senão uma esquizofrenia linguística.

De Anónimo a 30.01.2014 às 00:16

Inês,
Agradeço muito a sua resposta e também acho que estamos numa situação quase caótica. A nossa obrigação em cumprir o novo AO nos nossos meios profissionais faz-me lembrar a Novilíngua de Orwell em “1984”. Quando o li, achei piada e impossível de alguma vez vir a acontecer. Ora, pois, aqui estamos nós... Abreviando, posso então concluir que o seu prazer da leitura não é afectado nas edições já com o novo AO?
Parabéns pelo blog e um abraço,
Tiago

De Inês a 08.02.2014 às 22:00

No início foi bastante difícil, agora é cada vez menos embora ache que nunca me vou habituar a certas palavras. Não vou dizer que o prazer da leitura não é afectado mas não deixar de ler determinado autor por causa do novo AO. Isso seria bem mais penoso para mim :)

Comentar post



Eu e as redes sociais

Facebook
Instagram
Goodreads
Twitter

No Youtube



O que ando a ler


goodreads.com

No baú

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Mais sobre mim

foto do autor


Blogs Portugal