Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

OMG! She's a book reviewer!



Quarta-feira, 07.08.13

Clarice Lispector - Água Viva

 
«Deixo-me acontecer.» E assim nasceu este livro. Não me interessa, por agora, saber se quem se deixa acontecer é a própria autora ou apenas a protagonista de um romance ficcionado. Se for este o caso, para simplificar, daqui para a frente chamar-lhe-ei Clarice.
Mas como comentar racionalmente uma obra quando ela própria não o é?
«Será que isto que estou te escrevendo é atrás do pensamento? Raciocínio é que não é. Quem for capaz de parar de raciocinar - o que é terrivelmente difícil - que me acompanhe.» Tentei. Talvez tenha conseguido algumas vezes, em muitas falhei.
Se escrever sobre Clarice é um exercício difícil, lê-la não o é menos.
Somos arrastados nesta invasão impudica à cabeça de um ser humano, em instantes tão anteriores à formação do pensamento. É um livro orgânico, nascido de um doloroso parto - palavra tantas vezes repetida.
«Eu não tenho enredo de vida? sou inopinadamente fragmentária. Sou aos poucos. Minha história é viver.» E assim vive também esta obra, construída pela união de poesias em prosa, não necessariamente consecutivas. Parágrafos que podem ser lidos aleatoriamente sem que percam o seu propósito. Estas páginas gritam desordem e fragmentação porque essa é a (i)lógica do pensamento.
«Ouve apenas superficialmente o que digo e da falta de sentido nascerá um sentido como de mim nasce inexplicavelmente vida alta e leve. A densa selva de palavras envolve espessamente o que sinto e vivo, e transforma tudo o que sou em alguma coisa minha que fica fora de mim.»
Quantas vezes quis abraçá-la ainda que soubesse que ela repeliria esse abraço.
É tão difícil ler Clarice, mas devia ser tão mais difícil sê-lo.
 
Obrigada à Ju, a maior amante de Clarice que já conheci, que me ofereceu este livro e, sem querer e sem saber, me incutiu urgência em lê-lo.
 
 
Citações:
 
«Vou agora mesmo prestar-te contas daquela primavera que foi bem seca. O rádio estalava ao captar-lhe a estática. A roupa eriçava-se ao largar a eletricidade do corpo e o pente erguia os cabelos imantados - esta era uma dura primavera. Ela estava exausta do inverno e brotava toda elétrica.(...)
Mas eu percebia um primeiro rumor como o de um coração batendo debaixo da terra. Colocava quietamente o ouvido no chão e ouvia o verão abrir caminho por dentro e o meu coração embaixo da terra - "nada! eu não disse nada!" - e sentia a paciente brutalidade com que a terra fechada se abria por dentro em parto, e sabia com que peso de doçura o verão amadurecia cem mil laranjas (...).»
 
«Mas por que esse mal-estar? É porque não estou vivendo do único modo que existe para cada um de se viver e nem sei qual é.»
 
«Criar de si próprio um ser é muito grave. Estou me criando. E andar na escuridão completa à procura de nós mesmos é o que fazemos. Dói. Mas é dor de parto: nasce uma coisa que é. É-se.»
 
«Ah viver é tão desconfortável. Tudo aperta: o corpo exige, o espírito não para, viver parece ter sono e não poder dormir - viver é incômodo.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Inês às 19:56


1 comentário

De juliana g. a 07.08.2013 às 20:13

<3

Comentar post



Eu e as redes sociais

Facebook
Instagram
Goodreads
Twitter

No Youtube



O que ando a ler


goodreads.com

No baú

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Mais sobre mim

foto do autor


Blogs Portugal